sábado, 13 de novembro de 2010

DayDreamer – 1ª página.

--------//--------
DayDreamer é uma história que me passou assim pela cabeça… Aqui está o seu primeiro post… Vou ver se desenvolvo isto mais um pouco… Aguardem pela 2ª página (isto é, se eu a conseguir fazer…)
--------//--------


DayDreamer levantou-se, vestiu-se, pôs as suas asas às costas e os headphones nos ouvidos, pôs Saviour, a sua espada de aço negro à cintura, e saiu de casa. Pouco depois de sair, fez-se ouvir por todo o Outro Mundo "Heaven" a transmissão terrestre que chegava de hora a hora: Primeiro, interferência, depois, uma suave voz feminina dizia: -"This is the Emergency Broadcast Sytem, please hold..."- Interferência outra vez e depois falava uma voz mecânica e distorcida: -"The worst is still to come..."- Interferência mais uma vez e de novo a voz feminina, e cessava a transmissão por mais uma hora.
Durante isso, o céu tornava-se branco e, em tipo de letra negro, gótico e distorcido, aparecia escrito no céu cada frase. Enquanto passeava pelos prados que ninguém visitava, estando demasiado ocupados a divertirem-se ou a aperfeiçoar a arte de manejar as suas armas, DayDreamer, com as mãos atrás da cabeça, um andar descontraído e a ouvir música erudita, avistou alguém, ao longe, e decidiu voar até ela. À medida que se aproximava, apercebeu-se que esse alguém era outro anjo: uma rapariga, aparentando ter mais ou menos a idade de DayDreamer, que fazia completo contraste com ele: Enquanto ele se vestia com uma túnica e calças brancas, ela tinha uma veste parecida com a duma assassina, toda vestida de negro, realçando do seu corpo perfeito, e, em vez de uma espada de aço negro, manejava um bastão curto com uma das pontas com lâminas de brilho e cor metálicas: uma em duplo C, um virado para cima e outro para baixo, e, no centro do C virado para os céus, tinha um espigão curto, e, na outra ponta, tinha uma foice de pequena curvatura. As suas asas brancas e perfeitas também contrastavam com as de DayDreamer: negras com alguns laivos de vermelho, ligeiramente curvadas para fora e com as suas pontas a acabar em pequenos espigões ósseos. Ao aproximar-se, ela decidiu andar até ele… tal como DayDreamer, ela estava curiosa, nunca o tendo visto antes. Identificou-o como outro anjo pela ténue aura dourada que emanava da sua cabeça, comum a todos os anjos. DayDreamer aterrou, e, antes de poder dizer uma palavra, já a rapariga o inquiria: -“Quem és? Nunca por cá te tinha visto…”
-“Ia-te fazer a mesma pergunta… Sou DayDreamer, e tu?”
-“Weaper. Esta é a minha arma, Sorrow.”- respondeu ela mostrando a sua arma -“E a tua?”
-“Esta é a minha espada, Saviour.”
-“Encantado.”- disse uma voz masculina e calma, provinda de Saviour -“Senhora Weaper, Miss Sorrow.”
Mais uma vez ecoou a transmissão terrestre.
-“És alguma recém-chegada? Nunca por cá te tinha visto…”- perguntou DayDreamer.
-“Não, nem por isso… já por cá ando à coisa de duzentos anos… E tu?”
-“Também, mais coisa menos coisa…”- respondeu DayDreamer –“Mas é um pouco estranho nunca nos termos cruzado antes… Mas também este lugar é um pouco para o estranho…”
-“Concordo… Estas transmissões, o darem-nos armas à entrada…”- Weaper suspendeu a fala durante alguns segundos -“Olha… desculpa a intromissão, mas, como morreste?”

*E viramos outra página…*

--------------------------------------------------------------------------------
RISE!!!

2 comentários:

Heartless Angel disse...

Muito bom, está fixe para a introdução da história.
(Faz-me so um favor, tenta mudar a cor da letra, é que para mim é um bucado dificil de ler, porque ofusca XD)

Continuaaaa

Ron disse...

Já andaste a acrescentar mais umas coisinhas desde que te vi a escrever o manuscrito original! Tá fixe meu, continua!